domingo, 31 de março de 2013

Mais um domingo no seu final



A todos os visitantes do Ponta Esquerda desejo um bom resto de domingo e uma boa semana.

Hoje pode ser dia de cinema (76)


O Profundo Mar Azul
Realização:Terence Davies

 

Sinopse
Hester Collyer é um espirito livre mas prisioneiro do seu casamento desapaixonado com um Juiz da classe alta. Após um encontro com Freddie Page, um problemático ex-piloto da Royal Air Force, a vida de Hester entra num turbilhão à medida que o envolvimento erótico entre ambos acaba por a deixar isolada física e emocionalmente. O PROFUNDO MAR AZUL é.

Bom domingo e bons filmes.

sábado, 30 de março de 2013

Sendo sábado, temos música (163)



Homem do Leme

Sozinho na noite
um barco ruma para onde vai.
Uma luz no escuro brilha a direito
ofusca as demais.

E mais que uma onda, mais que uma maré...
Tentaram prendê-lo impor-lhe uma fé...
Mas, vogando à vontade, rompendo a saudade,
vai quem já nada teme, vai o homem do leme...

E uma vontade de rir, nasce do fundo do ser.
E uma vontade de ir, correr o mundo e partir,
a vida é sempre a perder...

 No fundo do mar
jazem os outros, os que lá ficaram.
Em dias cinzentos
descanso eterno lá encontraram. 

E mais que uma onda, mais que uma maré...
Tentaram prendê-lo, impor-lhe uma fé...
Mas, vogando à vontade, rompendo a saudade,
vai quem já nada teme, vai o homem do leme...

E uma vontade de rir, nasce do fundo do ser.
E uma vontade de ir, correr o mundo e partir,
a vida é sempre a perder...

No fundo horizonte
sopra o murmúrio para onde vai.
No fundo do tempo
foge o futuro, é tarde demais...

E uma vontade de rir nasce do fundo do ser.
E uma vontade de ir, correr o mundo e partir,
a vida é sempre a perder...

Bom sábado, boas notícias e boa música.

sexta-feira, 29 de março de 2013

Greve de fome de prisioneiros de Guantánamo chega a sete semanas

(...)"No início do ano, a ONU divulgou um comunicado no qual expressou que os EUA violam a legislação internacional dos direitos humanos por manter cidadãos não julgados presos indefinidamente. Antes de iniciar seu primeiro mandato, em 2009, o agora reeleito presidente dos EUA, Barack Obama, havia prometido o fechamento da prisão, o que ainda não ocorreu."
(Aqui)
 
Comentário: Sem comentários.

Tempo de Páscoa

(Foto da net)


Páscoa Feliz para os visitante do Ponta Esquerda
Com muito folar, amendoas e sem o coelho... O Tál!
Que só pensa em lixar o pessoal.

quinta-feira, 28 de março de 2013

O "fim de festa"

Por Carvalho da Silva, no Jornal «JN»

Nos últimos tempos é bem visível um frenesim do Governo na implementação de contra-reformas em várias áreas. Assiste-se a um apodrecimento acelerado da governação que se mistura com expressões de desagregação da situação política, em resultado da imposição, no plano nacional e europeu, de políticas injustas, criminosas numa perspetiva de desenvolvimento das sociedades.
Tomo aqui o exemplo da atuação do ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato. Quem acompanhou o seu percurso é conduzido a perguntar: este senhor ensandeceu?
Nesta semana disse, sorridente, que o exame do 4.º ano do Ensino Básico (antiga 4.ª classe), feito em outra escola, ou na sede do agrupamento escolar respetivo, com acompanhamento de professores desconhecidos, "não é pressão nenhuma" para as crianças. E acrescentou "qual o problema de um aluno estar numa escola e fazer uma prova noutra?".
Uma das recordações de maior sofrimento da minha infância é a da prestação de provas na 4.ª classe. Vêm-me à memória o medo do contexto em que estava, os nervos num espaço com imensos fatores desconhecidos. Levantar-me mais cedo para percorrer os quilómetros que distanciavam a escola da minha aldeia daquela onde fui fazer o exame, aqueles professores vistos por mim como "autoridade" nova e pretensamente mais exigente, o receio de falhar apesar de ser bom aluno, a incompatibilidade da roupa nova que os meus pais compraram para esse dia e as dores provocadas pelas botas novas depois da longa e demorada caminhada.
Esse tempo está longe, mas Crato, na sua modernidade, é para aí que nos quer encaminhar, ao colocar de novo os alunos num ambiente estranho e alheio ao do seu quotidiano, obrigando muitas crianças a grandes deslocações. Tenho uma filha, aluna numa excelente escola pública, que por certo fará o exame com êxito, mas revolta-me os pressupostos de que as crianças não dão importância e sentido de responsabilidade aos testes e provas do mesmo tipo que vão fazendo durante os anos e em particular neste, revolta-me a grande suspeita sobre a competência, a ética e a deontologia profissional dos docentes destes alunos, para além de constatar que a criação de todo um cenário bacoco, pretensamente ligado à evolução da qualidade do ensino e das aprendizagens, pouco ou nada terá de verdade. Será que isto é um pequeno contributo para no futuro se impor bem cedo um ensino dualista e elitista?
Ainda deste ministério veio, também estes dias, a confirmação de que os professores vão ser sujeitos à aplicação da mobilidade especial, facto que mostra que o ministro andou a mentir e que os professores vão ser indignamente tratados.

quarta-feira, 27 de março de 2013

A entrevista a Sócrates

...veio dar umas «bicadas» grossas  naqueles que lhe tinham apertado os calos no passado, e dar uma ajudinha ao desgoverno, na medida  que, nos próximos dias, a comunicação social vai esquecer a política desastrosa do desgoverno e falar dos comentários do Sócrates.

Sendo hoje o Dia  Mundial do Teatro, esteve bem.

A realidade distorcida


Estudo de Eugénio Rosa, publicado  em resistir.info

"Mais uma vez os trabalhadores da Função Pública foram objeto de uma campanha com o objetivo de virar a opinião pública contra eles. Agora o pretexto utilizado foi que auferiam remunerações superiores aos trabalhadores do setor privado. Para isso foi utilizado um estudo encomendado pelo governo a uma multinacional MERCER que distorce a realidade e contém erros graves. "

Leitura completa do estudo aqui.

terça-feira, 26 de março de 2013

Amigos e ocasiões...




"O Governo determinou a criação de um posto de trabalho na Presidência do Conselho de Ministros para o 'ex-espião' Silva Carvalho, envolvido no caso das secretas."
(Aqui)
 
-Não é brincadeira, segundo a TSF é mesmo verdade! O mesmo governo que se propõe despedir uma grande quantidade de trabalhadores na Função Pública, cria um posto de trabalho na Presidência do Conselho de Ministros para este senhor.
É uma vergonha.
É urgente (digo eu), mandar esta gente (toda), do governo "dar banho ao cão" num local que seja bem longe daqui.



Calma! Tenham calma... ( ainda há recursos)





"Coima por vendas abaixo do preço de custo desceu de quase 30 mil euros para 12 mil euros. Empresa da Jerónimo Martins recorreu da decisão."
 
(Aqui)

Avós de Maio dão 'voto de confiança' ao novo papa

"A presidenta da organização de direitos humanos Avós da Praça de Maio, Estela de Carlotto, deu um "voto de confiança" ao papa Francisco. Entretanto, não deixou de apelar para que o novo líder da Igreja Católica admita o papel da instituição durante a ditadura militar argentina (1976-1983). "Participaram, foram cúmplices e ocultadores, direta ou indiretamente, durante o período”, explicou a militante à Radio Milenium."
 
(Aqui)

segunda-feira, 25 de março de 2013

Sessão Cultural Evocativa de Álvaro Cunhal



Foi em Lisboa na Aula Magna no passado dia 23 de Março de 2013

A desgovernação do abre buracos

"A despesa com os subsídios de desemprego está a engordar mais do que o esperado e a tendência terá vindo para ficar. Em apenas dois meses os gastos somaram 497 milhões de euros, sendo que a este ritmo o valor orçamentado para fazer face às prestações até ao fim de 2013 abrirá um buraco de 300 milhões na Segurança Social, indica o Diário de Notícias."
 
 
É urgente demitir este desgoverno, mudar de políticas e evitar mais despedimentos.

sábado, 23 de março de 2013

Sendo sábado, temos música (162)




JP Simões
Inquietação


A contas com o bem que tu me fazes
A contas com o mal por que passei
Com tantas guerras que travei
Já não sei fazer as pazes
São flores aos milhões entre ruínas
Meu peito feito campo de batalha
Cada alvorada que me ensinas
Oiro em pó que o vento espalha
Cá dentro inquietação, inquietação
É só inquietação, inquietação
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda
Há sempre qualquer coisa que está pra acontecer
Qualquer coisa que eu devia perceber
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda
Ensinas-me fazer tantas perguntas
Na volta das respostas que eu trazia
Quantas promessas eu faria
Se as cumprisse todas juntas
Não largues esta mão no torvelinho
Pois falta sempre pouco para chegar
Eu não meti o barco ao mar
Pra ficar pelo caminho
Cá dentro inqueitação, inquietação
É só inquietação, inquietação
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda
Há sempre qualquer coisa que está pra acontecer
Qualquer coisa que eu devia perceber
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda
Cá dentro inqueitação, inquietação
É só inquietação, inquietação
Porquê, não sei
Mas sei
É que não sei ainda
Há sempre qualquer coisa que eu tenho que fazer
Qualquer coisa que eu devia resolver
Porquê, não sei
Mas sei
Que essa coisa é que é linda.


Bom sábado, boas notícias e boa música.


sexta-feira, 22 de março de 2013

Óscar Lopes (1917-2013)


Faleceu hoje, aos 95 anos Óscar Lopes, professor catedrático, ensaísta e militante do PCP.





"Por ocasião do seu 90.º aniversário, o PCP de que era militante afirmou: “Indissociável da valiosíssima obra realizada, a trajectória da sua vida impõe-se-nos como um exemplo de verticalidade e inteireza moral e ideológica”.
“Recordemo-la, pois, de forma necessariamente sumária, até porque ela se distingue, desde logo, pelo modo como soube alicerçar um excepcional percurso de investigação e docência numa visão mais ampla do mundo, determinada pela condição de marxista e de militante comunista de longa data”, afirmou na altura o PCP."

Calçada de Carriche



Apesar dos dias difíceis para a maioria dos portugueses e as inconstantes e truculentas posições políticas do PS a semana está a chegar ao fim.
 
Tenham uma boa sexta-feira!

quinta-feira, 21 de março de 2013

Contas que contam

Por Anabela Fino, no Jornal «Avante!»

Já não bastava o sr. Ulrich do «aguenta, aguenta» e das comparações com os sem abrigo – como se ele soubesse o que é ser sem abrigo! –, temos agora o sr. Ulrich na versão preocupado com a sociedade portuguesa, que de súbito descobriu estar «entristecida, desmotiva e descrente», a fazer apelos no estilo «façam qualquer coisinha ou isto ainda acaba mal para nós», justamente na altura em que o BPI do sr. Ulrich anunciou ter amortizado mais uma tranche de 200 milhões de euros, coisa pouca, dos 1200 milhões que foi buscar ao Estado para se recapitalizar e que fazem parte daquela tranche de 12 000 milhões destinados à banca pela troika, no âmbito do chamado Programa de Assistência Económica e Financeira que os portugueses estão a pagar com língua de palmo. Preocupações legítimas, as do sr. Ulrich, que no ano passado só contabilizou 249,1 milhões de euros de lucro no seu banco, facto certamente inspirador da lapidar tirada do «aguenta, aguenta».
Pois já não bastava Ulrich preocupado e queixoso dos juros que tem de pagar ao Estado, eis que esta semana se lhe juntou o sr. Belmiro de Azevedo a declarar que o «poder não está no dinheiro, este é «apenas um instrumento que aparece», o poder está sim nos «valores». Profundo pensamento este, vindo de um homem rico, mas nem outra coisa seria de esperar de um orador convidado do Clube dos Pensadores, tertúlia com poiso em Vila Nova de Gaia. E porque o que conta são os «valores», o sr. Belmiro de Azevedo não hesita em afirmar que «se não for a mão-de-obra barata, não há emprego para ninguém», explicando que «há muitas actividades, nomeadamente no sector primário, em que a mão-de-obra, que Portugal tem muita e em excesso, é indispensável para que possam continuar». Ou dito de outro modo, que a «economia só pode pagar salários que decorram de uma certa realidade». O sr. Belmiro de Azevedo não chegou a dizer que aos escravos nunca faltava trabalho e também não falou do comércio a retalho, não se sabe se por esquecimento, por modéstia ou se porque nos seus supermercados – onde vigora uma certa realidade que faz aparecer dinheiro – o que conta, como afirma, é a «ética Sonae», a tal que lhe abre as portas, a ele, não só dos clubes de pensadores mas também do clube dos mais ricos do mundo, enquanto os outros ficam a deitar contas à vida.
Dir-se-ia desnecessário pôr mais na carta, mas o sr. Belmiro de Azevedo não se ficou por aqui e brindou-nos ainda com outras pérolas do seu pensamento, como a de equipar os protestos dos trabalhadores e do povo português a um «Carnaval mais ou menos permanente», coisa que de resto não só não o incomoda como o deixa muito sossegado. «Enquanto o povo se manifesta, a gente pode dormir mais descansada. O pior é quando não se manifesta», afirmou o sr. Belmiro de Azevedo, que é capaz de saber muito de panelas de pressão mas percebe pouco de luta de massas, o que o aproxima da convicção do «aguenta, aguenta» do sr. Ulrich. Muitos ao longo da História acreditaram que ao povo basta «pão e circo», ou «fado e futebol», tanto dá. Enganaram-se. E na melhor da hipóteses perderam o sono.

quarta-feira, 20 de março de 2013

Concertação Social.

 
Cartoon do Jornal «JN»
 
 
 
...o rabo, é aquela parte mais difícil de esfolar e a mais mal-cheirosa. Sempre ouvi dizer!

terça-feira, 19 de março de 2013

"Dívida do Estado aumentou quase 100 mil euros por dia desde Janeiro"

"O Estado chegou ao final de Fevereiro a dever mais de 200 mil milhões de euros, valor nunca antes superado e que representa um aumento do endividamento em 5,6 mil milhões de euros desde o fim de 2012. Os dados foram avançados ontem pela Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública."
 
(Aqui)
 
Comentário que é uma pergunta! Por que estão ainda estes rapazolas, que, apenas têm como objectivo político destruir o país e as pessoas, sentados nas cadeiras do poder com a protecção... do Presidente da República? 
 
(Até já o papagaio, Jacob, do Sr. da barbearia no meu bairro passou a gritar "demissão, demissão!" sempre que vê na televisão algum membro deste desgoverno.)

segunda-feira, 18 de março de 2013

"Demissão" (é a palavra mais ouvida quando se fala de governo)


“Demissão” e “Coelho sai da toca” foram algumas das palavras de ordem entoadas pelos estudantes que esta segunda-feira receberam o primeiro-ministro no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP), em Lisboa. O primeiro-ministro deslocou-se àquela instituição para participar na abertura de uma conferência sobre o tema “Sociedade Aberta e Global – das funções do Estado e políticas públicas à administração central”.

sábado, 16 de março de 2013

Sendo sábado, temos música (161)




Vejam bem 
que não há só gaivotas em terra 
quando um homem se põe a pensar 
quando um homem se põe a pensar 
Quem lá vem 
dorme à noite ao relento na areia 
dorme à noite ao relento no mar 
dorme à noite ao relento no mar 

E se houver 
uma praça de gente madura 
e uma estátua 
e uma estátua de febre a arder 

Anda alguém 
pela noite de breu à procura 
e não há quem lhe queira valer 
e não há quem lhe queira valer 

Vejam bem 
daquele homem a fraca figura 
desbravando os caminhos do pão 
desbravando os caminhos do pão 

E se houver 
uma praça de gente madura 
ninguém vem levantá-lo do chão 
ninguém vem levantá-lo do chão 

Vejam bem 
que não há só gaivotas em terra 
quando um homem 
quando um homem se põe a pensar 

Quem lá vem 
dorme à noite ao relento na areia 
dorme à noite ao relento no mar 
dorme à noite ao relento no mar

Bom sábado, boas notícias e boa música.

sexta-feira, 15 de março de 2013

Milhares de manifestantes exigem demissão do Governo

"Milhares de funcionários públicos de todo o País e de vários sectores estão a descer a avenida da Liberdade gritando palavras de ordem a exigir o fim da política de austeridade e a demissão do Governo."
(Aqui)
-Com "sondagens" ou sem elas a Luta vai continuar pela demissão deste desgoverno, por uma política que tire os portugueses do tremendo buraco em que as troikas nos meteram.

quarta-feira, 13 de março de 2013

O mamão fino


Por João Frazão, no Jornal «Avante!»

Perdoem-me os leitores pelo excesso de linguagem, mas ele não é, a bem dizer, da minha autoria. A expressão que titula este Actual é de Alexandre Soares dos Santos, principal accionista do grupo económico Jerónimo Martins.
Queixando-se da vida, assumindo-se também como vítima da crise, dizia ele, à saída de um debate com jovens, em Vieira do Minho, que temos de acabar com essa coisa de «andarmos sempre a mamar na teta do Estado», no que foi compreendido, pela generalidade dos «entendidos em decifrar coisas que se dizem», como uma crítica a uma suposta subsídio-depêndencia que se viverá no país, sabendo nós que Soares dos Santos se estava a referir a quem receba 100, 200 ou trezentos euros de um subsídio de desemprego, de uma pensão de reforma, ou de um Rendimento Social de Inserção, alguns dos quais a Jerónimo Martins despediu, depois de contratos precários e em part-time, para ocupar postos de trabalho que são permanentes e a tempo inteiro.
Tal declaração não poderá deixar de ser entendida como mais uma provocação ao povo português, vinda de quem, no ano passado, embolsou qualquer coisa como 300 milhões de euros de lucros, construídos a partir da intensificação da exploração dos trabalhadores, nomeadamente pelo não aumento de salários, e do esmagamento dos produtores seus fornecedores, impondo-lhes condições leoninas.
Mas esta declaração vai mais longe, revelando a faceta sem vergonha do senhor que ainda esta semana pontificava na lista dos mais ricos do mundo elaborada pela Forbes. É que a Jerónimo Martins tem abocanhado dezenas de milhares de euros em isenções fiscais, incentivos à exportação, subvenções.
Para além disto, importa ainda não esquecer dois outros factos que caracterizam bem a atitude do senhor. Por um lado, esta é a empresa que está a ser questionada pelo fisco para pagar 20,7milhões de euros, a que se terá furtado no seguimento de umas maroscas nas contas envolvendo off-shores, aquilo a que o Tribunal apelidou de planeamento fiscal abusivo. Por outro lado é também a mesma que, queixando-se de não conseguir mamar o suficiente em Portugal, decidiu mudar a sede para a Holanda.
Mamões, há muitos. Mas há uns que são mamões finos!

terça-feira, 12 de março de 2013

segunda-feira, 11 de março de 2013

Cegueira e insensatez

Por Carvalho da Silva, no Jornal «JN»

Passos Coelho ao afirmar, em plena Assembleia da República, que "aumentar o salário mínimo geraria mais desemprego neste momento", pôs a nu toda a dimensão de cegueira neoliberal, de incompetência e de disparate que marca o rumo e as práticas da sua governação. Mas é dramático que isto seja assumido como uma estratégia, confirmada, aliás, pelas afirmações de António Borges dois dias depois.
A brutal e injusta austeridade faz sofrer as pessoas, mas parece que também cega e estupidifica quem as impõe.
A afirmação do primeiro-ministro (PM) situa-se para além dos limites do bom senso e da decência política. É caso para lhe dizer: abre os olhos, obcecado! Não vês a queda da procura? Não vês a situação das empresas? Não vês a vida concreta das pessoas?
O problema de fundo é que estamos perante alguém que não cumpre os requisitos mínimos para se manter nas funções efetivas de primeiro-ministro de Portugal. Passos Coelho chegou a PM através de um ato eleitoral, isso é um facto, mas ele não governa de acordo com os compromissos que assumiu e não é um intérprete fiável dos interesses dos portugueses. Comporta-se simplesmente como executor das medidas que vão traçando os tecnocratas indigitados pelos nossos credores e agiotas (incluindo os Borges), com vista a explorar, até ao limite, o povo português.
Infelizmente, pelo menos três gerações de portugueses - aquelas que hoje sofrem com este desastroso rumo - vão dolorosamente lembrar-se por muito tempo deste roubo organizado, com dimensões externas e internas, feito ao seu país. E vão recordar-se das traições que estes governantes de ocasião e da mentira cometeram.

domingo, 10 de março de 2013

No final deste domingo



Mulheres, esses seres imprescindíveis das nossas vidas.
Um resto de bom domingo e uma óptima semana para todas.

Ainda a carne de cavalo

"A Deco - Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor – acusa a ASAE de falhas com a informação dada aos consumidores e garante que a venda de carne de cavalo contaminada com anti-inflamatório é prova do fracasso da fiscalização alimentar feita pela Autoridade de Segurança Alimentar e Económica."

(Aqui)

sábado, 9 de março de 2013

Sendo sábado, temos música (160)



Chegaste com três vinténs
E o ar de quem não tem
Muito mais a perder
O vinho não era bom
A banda não tinha tom
Mas tu fizeste a noite apetecer
Mandaste a minha solidão embora
Iluminaste o pavilhão da aurora
Com o teu passo inseguro
E o paraíso no teu olhar

Eu fiquei louco por ti
Logo rejuvenesci
Não podia falhar
Dispondo a meu favor
Da eloquência do amor
Ali mesmo à mão de semear
Mostrei-te a origem do bem e o reverso
Provei-te que o que conta no universo
É esse passo inseguro
E o paraíso no teu olhar

Dá-me lume, dá-me lume
Deixa o teu fogo envolver-me
Até a música acabar
Dá-me lume, não deixes o frio entrar
Faz os teus braços fechar-me as asas
Há tanto tempo a acenar

Eu tinha o espírito aberto
Às vezes andei perto
Da essência do amor
Porém no meio dos colchões
No meio dos trambolhões
A situação era cada vez pior
Tu despertaste em mim um ser mais leve
E eu sei que essencialmente isso se deve
A esse passo inseguro
E ao paraíso no teu olhar

Dá-me lume, dá-me lume
Deixa o teu fogo envolver-me
Até a música acabar
Dá-me lume, não deixes o frio entrar
Faz os teus braços fechar-me as asas
Há tanto tempo a acenar

Se eu fosse compositor
Compunha em teu louvor
Um hino triunfal
Se eu fosse crítico de arte
Havia de declarar-te
Obra-prima à escala mundial
Mas eu não passo dum homem vulgar
Que tem a sorte de saborear
Esse teu passo inseguro
E o paraíso no teu olhar
Esse teu passo inseguro
E o paraíso no teu olhar

Bom sábado, boas notícias e boas músicas.

sexta-feira, 8 de março de 2013

No dia Internacional da Mulher

Um cravo vermelho para todas as visitantes deste espaço.


 


 
 
 
 
 


(Poema de Ester Cid achado no fac)
 Ser causa do teu sorriso
companheira camarada
esperar a tua semente
na minha terra lavrada
ser grito em campo vermelho
aurora amanhecer
amor pela liberdade
poema para tu dizeres
esperança revolução
portas abertas de Abril
maio florido primavera
chuva miudinha de verão
(a)braços à tua espera.

 Ester Cid.

quinta-feira, 7 de março de 2013

Juntaram-se os dois à esquina...

...a tocar a concertina da troika e a dançar o sol-e-dó da austeridade.
Estou a falar do Sr. Presidente da República e do Sr. primeiro-ministro deste país. E por quê ? Perguntam vocês. O primeiro porque se diz preocupado com as dificuldades do povo perante tamanhos "roubos" (digo eu), que lhe estão a fazer diariamente, mas, assina por baixo tudo o que neste aspecto o desgoverno lhe mete nas mãos. O segundo, por que conforme se verifica no seu comportamento político, gosta mais  da  Merkel, dos banqueiros e dos capitalistas do que do povo e do país a que diz pertencer.
Conclusão: "São ambos músicos da mesma orquestra a tocar a mesma música, um, num tom mais grave e o outro no tom mais agudo".

Por isso, este tempo é o tempo de reforçar todas as lutas e exigir novas políticas que nos permita sair do buraco sem fundo onde nos estão a meter.

terça-feira, 5 de março de 2013

Hugo Chávez (1954-2013)


O vice-presidente venezuelano confirmou, esta terça-feira, a morte de Hugo Chávez.

Só perdeu na final...


...uma menina com apenas 6 anos de idade e com o nome artístico "B-Terra" impressionou  toda a gente  num  concurso de breakdance realizado  em Paris durante o último fim-de-semana, onde ficou em segundo lugar.
Vamos certamente vê-la por aí a ganhar muitos prémios num futuro próximo.

Veja o vídeo!





Capas de jornais (53)





Aaaai sondagens, sondagens! Para que vos quero...

Para começar bem o dia...

... este clássico na voz de um jovem.

 

Hoje ainda é só terça-feira: há muito caminho para andar. Um bom dia para todos.

segunda-feira, 4 de março de 2013

Mais Um (recurso).


"Fonte do TC referiu à agência Lusa que "deu entrada hoje" um recurso de Isaltino Morais, "aguardando-se a sua distribuição, o que deverá ocorrer em breve".
(Aqui)

Milagre económico alemão teve ajuda de perdão de dívida

Por Sérgio Aníbal, no Jornal «Público»


Há 60 anos, 70 países decidiram perdoar quase dois terços da dívida externa alemã. O país duplicou o seu PIB na década seguinte. Um exemplo a seguir na actualidade?
Com a troika em Portugal e com o Governo, os partidos da oposição e os parceiros sociais a pedirem uma melhoria das condições dos empréstimos que foram concedidos ao país, uma efeméride registada na passada semana dificilmente poderia passar em claro. Na quarta-feira, concluíram-se 60 anos desde que foi assinado o acordo de perdão de dívida entre a República Federal da Alemanha e os seus credores, onde se destacavam os Estados Unidos, o Reino Unido e a França, mas onde também surgia a Grécia.

A 27 de Fevereiro de 1953, a economia alemã, que tinha atingido o fundo após a II Guerra Mundial, deu um passo decisivo para uma recuperação classificada por muitos como milagrosa. Desembaraçou-se de quase dois terços da sua dívida externa e iniciou uma década em que conseguiu duplicar o seu PIB.

Leitura completa aqui

Parabéns para uma grande campeã



"A atleta portuguesa Sara Moreira sagrou-se este domingo campeã europeia dos 3000 metros em pista coberta, ao vencer a prova no último dia dos Europeus em Gotemburgo, na Suécia."  

"A luta está a dar resultados"



"Trabalhadores de várias dezenas de empresas conseguem aumentos entre 1,5% e 3%"

Tortura

Por A. Marinho e Pinto, no jornal «JN»

OTribunal Criminal de Lisboa condenou recentemente dois inspetores da Polícia Judiciária a uma pena de dois anos e seis meses de prisão, considerando-os coautores materiais de um crime de tortura e outros tratamentos cruéis, degradantes ou desumanos praticado em março de 2000 contra um trabalhador ferroviário. O Tribunal decidiu, porém, suspender a execução das respetivas penas, por períodos de tempo iguais aos da condenação, com a condição de cada um dos condenados depositar mensalmente à ordem do Tribunal oitenta euros a fim de a quantia acumulada ser no final entregue à vítima.
Este caso, em cujo processo a Ordem dos Advogados se constituiu assistente, contém vários aspetos que devem ser realçados. De acordo com os factos dados como provados em julgamento, a vítima viveu «horas de terror» durante um interrogatório policial sem a presença de advogado. Foi espancado quando estava algemado com as mãos atrás das costas, foi obrigado a permanecer de pé, «sofreu uma chapada na cara», «foi socado por diversas vezes, designadamente, na zona do estômago, rins e costelas», sofreu diversas pancadas com uma ripa de madeira nos pés, até que a mesma se partiu, e «foi pontapeado quando caiu ao chão». Com esses atos os inspetores da PJ pretendiam que o trabalhador confessasse a autoria de um crime de furto que ele sempre negou ter cometido.

domingo, 3 de março de 2013

Para o resto do seu domingo




"O primeiro álbum póstumo de Cesária Évora, intitulado "Mãe carinhosa", com lançamento mundial na segunda-feira, inclui treze canções gravadas entre 1997 e 2005, doze delas inéditas".  (Aqui)
 
-Um bom resto de domingo e uma boa semana de trabalho (com direitos!), para os felizardos que ainda o vão tendo.
 

Capas de Jornais (52)




































Ontem, sábado 2 de Março, o povo saiu à rua em todo o país, cantando e dizendo BASTA! "É tempo do governo ir embora é tempo de mudar de política".

Para ver aqui e aqui.  

A Luta vai continuar!




sábado, 2 de março de 2013

Sendo sábado, temos música (159)




diz-me agora o teu nome
se já dissemos que sim
pelo olhar que demora
porque me olhas assim
porque me rondas assim


toda a luz da avenida
se desdobra em paixão
magias de druida
p'lo teu toque de mão
soam ventos amenos
p'los mares morenos
do meu coração

espelhando as vitrinas
da cidade sem fim
tu surgiste divina
porque me abeiras assim
porque me tocas assim
e trocámos pendentes
velhas palavras tontas
com sotaque diferentes
nossa prosa está pronta
dobrando esquinas e gretas
p'lo caminho das letras
que tudo o resto não conta

e lá fomos audazes
por passeios tardios
vadiando o asfalto
cruzando outras pontes
de mares que são rios
e num bar fora de horas
se eu chorar perdoa
ó meu bem é que eu canto
por dentro sonhando
que estou em Lisboa

dizes-me então que sou teu
que tu és toda p'ra mim
que me pões no apogeu
porque me abraças assim
porque me beijas assim
por esta noite adiante
se tu me pedes enfim
num céu de anúncios brilhantes
vamos casar em Berlim
à luz vã dos faróis
são de seda os lençóis
porque me amas assim

e lá fomos audazes
por passeios tardios
vadiando o asfalto
cruzando outras pontes
de mares que são rios
e num bar fora de horas
se eu chorar perdoa
ó meu bem é que eu canto
por dentro sonhando
que estou em Lisboa.


Bom sábado, boas notícias e boa música.
 

sexta-feira, 1 de março de 2013

As ruas são do povo



É amanhã! Vamos lá todos.

Eu também entendo que é...

"A vereadora da Câmara Municipal de Lisboa, Helena Roseta, dificilmente poderia ter uma perspectiva mais crítica relativamente ao Executivo liderado por Pedro Passos Coelho. A responsável, que falava na quinta-feira à noite na antena da SIC Notícias, considera que “o beija-mão [do Governo português] à troika chega a ser vexatório”, e que o País está a ser “espoliado da sua soberania”.