segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

2013 está aí com a receita do costume...

"-Luz sobe 2,8% e é revista trimestralmente

-Gás natural também aumenta 2,5%

-Transportes públicos aumentam 0,9%

-Rendas posteriores a 1990 sobem 3,5%

-IMI aumenta de forma gradual até 2015

-Combustíveis e portagens aumentam

-Comunicações aumentam em média 3%"

Etc.,Etc.,Etc.

E O SEU VENCIMENTO?! Esse, ao que consta vai diminuir e, bastante!

...haverá alguma razão que a razão explique por que várias garrafas de champanhe se vão abrir logo  à meia-noite? Melhor seria aproveita-las para atirar sobre as cabeças daqueles que nos vêm empurrando para esta situação de miséria e fome quase generalizada. Digo eu!

Que 2013 seja o ano da indignação geral e da disponibilidade total para a luta afim de sairmos desta situação catastrófica em que os sucessivos governos colocaram o País.

domingo, 23 de dezembro de 2012

Neste domingo




Que tenhamos força em 2013 para contrariar os desejos daqueles que nos querem impor o desemprego, a fome e a miséria.
 
Desejamos a todos os amigos e visitantes casuais deste espaço festas felizes!

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Os portugueses aceitam que esteja no poder um Governo que não cumpre a legislação?!

"O governo tem em seu poder o relatório final da comissão de acompanhamento da privatização da EDP há cinco meses, mas o documento ainda não foi divulgado, ao contrário do que prevê a legislação criada pelo actual executivo".  
(Aqui)

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Estado social e desenvolvimento



Por Carvalho da Silva, no Jornal «JN»


O Estado social e o trabalho são hoje o alvo estratégico das políticas de austeridade impulsionadas pela troika e pelo Governo PSD/CDS e respaldadas numa União Europeia (UE) capturada por ideologias e práticas neoliberais. À "inevitabilidade" da redução dos salários e da degradação das relações de trabalho juntam agora a "inevitabilidade" da destruição do Estado social, que querem reduzir a um Estado assistencialista de serviços mínimos.

Vítor Gaspar disse que os portugueses devem decidir se querem mais Estado do que aquele que estão dispostos a pagar e Passos Coelho falou de "refundação" do Estado, quando já haviam acordado com a troika o corte na despesa, em 4 mil milhões de euros. São atos vergonhosos e de desonestidade política.

Em Portugal, como na generalidade dos países europeus e outros, o progresso das sociedades e a consagração de valores democráticos tiveram na afirmação do valor e dignidade do trabalho e dos direitos sociais os seus dois fundamentais ancoradouros.

domingo, 16 de dezembro de 2012

Manifestação de ontem em Lisboa

"É preciso que o Presidente da República ouça o sentimento generalizado que percorre todo o país e não promulgue o Orçamento do Estado para 2013! Este Orçamento é um atentado à Constituição da República Portuguesa e caso fosse levado à prática, aprofundaria o desastre económico e social"
Intervenção de Arménio Carlos (Aqui)
.
 
 
 

sábado, 15 de dezembro de 2012

Sendo sábado, temos música (152)



Poema de Ary dos Santos

Estrela da Tarde

Era a tarde mais longa de todas as tardes
Que me acontecia
Eu esperava por ti, tu não vinhas
Tardavas e eu entardecia
Era tarde, tão tarde, que a boca,
Tardando-lhe o beijo, mordia
Quando à boca da noite surgiste
Na tarde tal rosa tardia
Quando nós nos olhamos tardamos no beijo
Que a boca pedia
E na tarde ficamos unidos ardendo na luz
Que morria
Em nós dois nessa tarde em que tanto
Tardaste o sol amanhecia
Era tarde demais para haver outra noite,
Para haver outro dia.
 (Refrão)
Meu amor, meu amor
Minha estrela da tarde
Que o luar te amanheça e o meu corpo te guarde.
Meu amor, meu amor
Eu não tenho a certeza
Se tu és a alegria ou se és a tristeza.
Meu amor, meu amor
Eu não tenho a certeza.

Foi a noite mais bela de todas as noites
Que me aconteceram
Dos noturnos silêncios que à noite
De aromas e beijos se encheram
Foi a noite em que os nossos dois
Corpos cansados não adormeceram
E da estrada mais linda da noite uma festa de fogo fizeram.

Foram noites e noites que numa só noite
Nos aconteceram
Era o dia da noite de todas as noites
Que nos precederam
Era a noite mais clara daqueles
Que à noite amando se deram
E entre os braços da noite de tanto
Se amarem, vivendo morreram.

(Refrão)

Eu não sei, meu amor, se o que digo
É ternura, se é riso, se é pranto
É por ti que adormeço e acordo
E acordado recordo no canto
Essa tarde em que tarde surgiste
Dum triste e profundo recanto
Essa noite em que cedo nasceste despida
De mágoa e de espanto.
Meu amor, nunca é tarde nem cedo
Para quem se quer tanto

Bom sábado, boas notícias e boa música.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Cuidado com o que estão a fazer, cuidado!

Por Baptista Bastos, no Jornal «negócios»
 
Somos colocados perante os factos consumados, numa bruma de situações que beneficia, muitas vezes, não se sabe quem. Nós é que não. O "Público" revelou, ante o espanto dos indígenas, que as devidas contrapartidas do negócio dos submarinos foram saldadas com a reconversão de um velho hotel no Algarve. Ao que parece há 490 milhões de euros em falta. Um novo contrato anulou o anterior, e tudo ficou em águas de bacalhau.

Assistimos, quase diariamente, a assuntos desta natureza, ou semelhantes, que dão azo a que pensemos em trafulhices e no aumento do descrédito das pessoas e das instituições. O Orçamento foi aprovado sob uma onda de protestos e do mal-estar das próprias bancadas da coligação. A procissão ainda não saiu do templo, e lá vem o ministro Gaspar a revelar que os "riscos e as incertezas" do documento são grandes e imponderáveis. Adicione-se, a estas balbúrdias, o caso, escabroso, da visão, pela polícia (qual polícia?), das filmagens da última manifestação da CGTP, e o quadro de sombras e de equívocos da actual sociedade portuguesa atinge as zonas do insuportável.

Pior do que tudo, os casos em si, que se acumulam uns sobre os outros, é a aparente indiferença com que assistimos a estes imbróglios. As contas que o Governo nos presta são evasivas ou, pura e simplesmente, inexistentes, e a violência contida no Orçamento, sem precedentes na nossa história recente, está a causar, não apenas a indignação generalizada, como rupturas graves na coligação, e em elementos que lhe são próprios. Bagão Félix, por exemplo, serviu-se de linguagem extremamente violenta para cauterizar o documento, e o Governo. Disse da sua inconstitucionalidade, da necessidade da intervenção do Presidente da República e declarou: "É fácil ser corajoso com os mais fracos." Aliás, o antigo ministro das Finanças tem sido muito crítico relativamente às decisões governamentais, alertando para a crispação social, que pode conduzir a situações irreparáveis.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

"Confusões" e outras coisas...

(cartoon de hoje no JN)


-Por esta altura Portugal está virado para Belém. Não é por ser Natal, mas para ver que "fumo" irá sair dali; branco, cinzento ou negro sobre o OE2013!... 

O meu amigo, comentador de futebol, dizia-me ontem sobre este tema que "a bola vai ser chutada para canto!". 
Veremos então, como irá ser marcado.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Capas de Jornais (50)

 
"A Associação Empresarial de Penafiel contratou quatro desempregados a 43 cêntimos à hora para se vestirem de Pai Natal. Os animadores, operários da construção civil, recebem 83 euros por 30 dias, mais subsídios de transporte e alimentação". (Aqui)

Comentário: Simplesmente vergonhoso ! O aproveitamento e o desprezo com  que os donos do emprego tratam os desempregados. Esta notícia não pode ser do País do 25 de Abril!..
 
 

 

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

A ruptura

Por Anabela Fino, no Jornal «Avante!»


O ainda secretário-geral da UGT, João Proença, ameaçou a semana passada cortar relações com o Governo caso Passos Coelho ponha em causa a autonomia do regime contributivo da Segurança Social e o quadro constitucional e legal que o rege. O insólito anúncio – que, estamos em crer, ninguém levou a sério – foi feito em conferência de imprensa, um dia após a entrevista do primeiro-ministro à TVI. Aparentemente, tratava-se de uma reacção da UGT à eventualidade de mais cortes nos salários e pensões, para além dos que já estão contemplados no OE para 2013 e dos que estão a ser preparados com a chamada «reforma do Estado» com o objectivo de, já a partir de Fevereiro, reduzir em mais quatro mil milhões de euros a despesa com as funções sociais do Estado.

Paulo Morais

 “Não é justo que neste Natal muita gente não tenha comida porque outros vivem com dinheiro da corrupção”
(Aqui)
Comentário: No meu entender, a frase não está totalmente correcta. A corrupção não é só a causa mas a consequência das políticas dos sucessivos governos que têm permitido o desenvolvimento atroz de corruptos nas mais variadas vertentes da vida social, económica e política neste País. Depois, a corrupção, nunca será  justa em qualquer circunstância.

domingo, 9 de dezembro de 2012

Para o final de domingo



Um bom resto de domingo e uma boa semana para todo(a)s

Hoje pode ser dia de cinema (73)

Anna Karenina
Realização:Joe Wright

 

Sinopse


História de amor adaptada do clássico de Leo Tolstoy por Tom Stoppard. A história desenrola-se na Rússia, final do século XIX, no seio da alta-sociedade e explora a capacidade para amar que surge através do coração humano, da paixão entre adúlteros à ligação entre uma mãe e o seu filho. Quando Anna (Keira Knightley) questiona a sua felicidade, grandes mudanças ocorrem na sua família, amigos e comunidade.

sábado, 8 de dezembro de 2012

Sendo sábado, temos música (151)






Uma noite escrevi o teu nome
num café
a cafeteira adormece breve
mesmo ao pé


O mar que passa
pela vidraça
senta-se à mesa
cheira a café


Não me enjeites quando te escrevo
o que à memória me vem
contas contadas, contas da história
que a ninguém devo, a ninguém


Já não vejo razão para calar
as múrmures águas na areia
sobre a praia a maré cheia
enche toda antes de vazar


A noite dura para além da tarde
cerveja com levedura
vaga de espuma entre o meio dia
calma a garganta que arde


O tesouro no ventre do mar
não será para quem mareia
como é bom dormir, acordar
preguiçar em branca açoteia


O sentido que eu tive da vida
num café
o que foi certo para mim um dia
já não o é


O mar que passa
pela vidraça
senta-se à mesa
cheira a café


Cão vadio, cão sem raça
pela rua a vaguear
candeeiro de luz baça
café moído a exalar


À noite os casais devassam
os enigmas duma luz mansa
os sonhos idos de criança
como farrapos soltos que passam.

Bom sábado, um bom cafezinho e boa música

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Marques Mendes


"Luís Marques Mendes acusou, na noite de quinta-feira, o ministro das Finanças de “fazer dos portugueses um conjunto de atrasados mentais" a propósito das suas declarações contraditórias sobre Portugal ter ou não algumas das condições concedidas à Grécia pela troika".
(Aqui)
Comentário: Será que as homilias de LMM em favor do desgoverno transmitidas semanalmente na TVI, já não têm audiências e é necessário arranjar um faz-de-conta qualquer para que as coisas melhorem?! Ou então, como alguém dizia hoje, no café,  acordou de um trambolhão qualquer, esqueceu-se de tomar os comprimidos e também ele já não aguenta tanta trapalhada.

(imagem tirada da net)

Hoje, no Parlamento...


...no debate quinzenal com o Primeiro Ministro.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Ensino Privado.

"No primeiro semestre deste ano, o Ministério da Educação e Ciência (MEC) atribuiu 206,5 milhões de euros a cerca de 400 instituições particulares, uma verba idêntica à que foi destinada para os mesmos fins nos primeiros seis meses de 2011. O maior subsídio foi atribuído ao Colégio Liceal Santa Maria das Lamas, no Norte, que recebeu 3,5 milhões de euros". (Aqui

 -Aproveitando este tema, veja o vídeo a seguir e repare como andam a ser distribuídos parte dos nossos impostos pelos "amigos" políticos de quem nos anda a desgovernar há muitos anos... É uma vergonha!


 

Alternativa é necessária

Por Octávio Teixeira, no Jornal «negócios»

Na passada semana Passos Coelho declarou que teria de ser revista a comparticipação dos cidadãos e do Estado no financiamento da educação (na prática aumentar os encargos dos cidadãos pois a comparticipação do Estado é via impostos pagos pelos cidadãos). Agora vem despudoradamente proclamar que nunca disse ou teve intenção de agravar os custos das famílias com a educação.


Na passada semana Vítor Gaspar garantiu publicamente que as condições mais favoráveis (em termos de juros, maturidades e período de carência dos empréstimos) concedidas à Grécia seriam estendidas a Portugal com base no princípio da igualdade de tratamento. Agora, depois dos ministros das Finanças alemão e francês lhes dizerem que não pensem nisso, obedientemente Vítor Gaspar veio dar o dito pelo não dito e Passos Coelho teve o desplante de dizer que isso é elogioso para Portugal.

Joaquim Benite (1943-2012)



Morreu Joaquim Benite a Cultura ficou mais pobre.

A vida e obra deste grande operário cultural.

(Aqui) e (Aqui)


terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Governo vai aumentar número de refeições servidas em cantinas sociais

"O secretário de Estado da Solidariedade e Segurança Social disse esta terça-feira que o Governo vai aumentar de 65 para 100 o volume de refeições diárias servidas em cantinas sociais, cujo número também deverá aumentar."

(Aqui)

Comentário: É muito claro para mim que o Estado ajude aqueles que mais precisam. 
O que não estou nada de acordo é que este desgoverno promova através das políticas do corte, o desemprego generalizado; corte e reduza os apoios sociais e subsídio de desemprego e, depois, venham com lágrimas de crocodilo chorar a infeliz situação dos pobres; oferecendo-lhes uma sopa nas cantinas sociais.

Os portugueses não tem que estar a passar por esta vergonha da esmola generalizada, na promoção da caridadezinha. O povo português tem direito a ter uma vida justa e digna de um ser humano no século XXI num Estado  que se diz pertencer à UE. Essa tal maravilha, que nos foi apresentada há uns anos atrás pela boca de Mário Soares e outros senhores da mesma família política como sendo o melhor para o desenvolvimento de Portugal, empurrando, com essa convicção, o País de qualquer maneira e a qualquer preço, para o colo dos interesses monopolistas europeus. 
Temos hoje, como resultado a pobreza e a miséria em cada casa portuguesa.

Este não é o caminho que queremos percorrer.

Temos que mudar de políticas urgentemente! Os nossos filhos e os nossos netos têm direito a outro futuro.






Governo perverso

Por Carvalho da Silva, no Jornal «JN»


É isso mesmo! O Governo PSD/CDS, atuando de forma subversiva face ao regime constitucional, pratica uma governação insurrecional profundamente retrógrada e com marcas de fascismo social bem visíveis. É uma violenta contrarrevolução desencadeada a partir do exercício do poder.

Se for ganhando terreno o apelo feito ao povo, para que este aguente os sacrifícios acreditando que depois os problemas se vão resolver, podemos caminhar, inevitavelmente, num rumo de aniquilação da democracia. O seu preocupante empobrecimento já é hoje um facto.

Passos Coelho e a sua equipa governam abertamente contra a Constituição da República (CR), adotam medidas para as quais não estão mandatados, fazem e vão executando políticas absolutamente contrárias aos compromissos que assumiram.

A coberto de mentirosas inevitabilidades e de uma emergência financeira cuja gravidade vai aprofundando, o Governo destrói a economia, entrega a grandes interesses capitalistas estrangeiros e nacionais os nossos recursos e setores estratégicos, e impõe escolhas de regime político que subvertem o Estado de Direito e a sua lei fundamental.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Se com estes "terríveis" números está tudo bem (no dizer do desgoverno), onde vamos parar???

"Em 11 meses, o número de insolvências aumentou quase 43%, em comparação com igual período do ano passado. Os sectores do comércio e construção são os mais afectados por este flagelo que já fez desaparecer 5808 empresas, uma média de 25 por dia, avança esta segunda-feira o Diário de Notícias (DN) e o Jornal de Notícias (JN)".

(Aqui)

Será que há alguém neste país que ainda defende que estamos no bom caminho?


"O ex-presidente do Conselho Económico e Social (CES) Alfredo Bruto da Costa alertou, esta sexta-feira, para o facto de mais de metade dos desempregados não receberem subsídio de desemprego, defendendo que o Governo deveria acautelar a situação da pobreza em Portugal".

(Aqui)

domingo, 2 de dezembro de 2012

Para o final de domingo




Um bom resto de domingo e uma boa semana para todo(a)s

Hoje pode ser dia de cinema (72)

Deste Lado da Ressurreição 

Realização: Joaquim Sapinho






SINOPSE
O filme conta a história de dois irmãos, Inês e Rafael. Desde o divórcio dos pais, a família nunca voltou a ver Rafael. Inês foge de casa à procura dele quando lhe dizem que ele voltou à praia do Guincho para surfar. Rafael é um ex-campeão de surf que todos os dias entra nas ondas perigosas testando os limites da sua vida. A praia do Guincho junta-os numa promessa de paraíso na terra, pois foi o último lugar onde a família deles viveu junta e feliz. Mas Inês é surpreendida ao ver o irmão olhar fixamente para a Serra de Sintra, onde está o Convento dos Capuchos que foi o seu refúgio em outros tempos, e teme que isso tenha trazido de volta as memórias da separação dos pais.

Bom domingo e bons filmes.

sábado, 1 de dezembro de 2012

Sendo sábado, temos música (150)




Cristina Branco

Não há só Tangos em Paris 

Beijei teu retrato, esborratou-se a tinta,
Num corpo abstracto que a saudade pinta...
E a esquadrinhar teus traços já dei por mim louca:
'diz-me lá, picasso, onde ele tem a boca?'

Esse teu retrato vou expô-lo em paris,
Já usado e gasto ver se alguém me diz
Onde é que te encontro, se não te perdi...

Por te ter chorado desfiz o meu rosto
E num triste fado encontrei encosto.
Dei-me a outros braços mas nada que preste...
'diz-me lá, picasso, que amor é este?'

Esse meu retrato vou expô-lo em paris,
E assim ao teu lado eu hei-de ser feliz.
Se nunca te enconto nunca te perdi.
Sei...
Não há só tangos em paris, e nos fados que vivi
Só te encontro em estilhaços

Pois bem.
Tão certa, espero por ti.
Se com um beijo te desfiz,
Com um beijo te refaço!


Bom sábado, boas notícias e boa música.

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

XIX Congresso do PCP


Almada foi o local escolhido para se realizar o XIX Congresso do Partido Comunista Português que decorrerá nos dias de hoje, 1 e 2 de Dezembro.
 
Pressinto que este grandioso evento político no nosso país esteja a  provocar muita urticaria a algumas pessoas que, há muito tempo têm andado a tentar esconder a dinâmica e a força política que o PCP tem  junto das populações. Isso mesmo, é notório, na visita que fiz às capas dos jornais nacionais de hoje, onde o XIX Congresso do PCP praticamente não é referido.
Mais cedo que tarde, esses pseudo-democratas, concluirão que não vale a pena tentar esconder o Sol com a peneira.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

A mancha negra da fome e da miséria continua a aumentar

"A União de Sindicatos do Norte Alentejano (USNA) alertou, esta quinta-feira, que a taxa de desemprego no distrito de Portalegre aumentou 16,7% em Outubro, em relação ao mês anterior, contabilizando "10 409 pessoas desempregadas".

Em comunicado enviado à agência Lusa, a USNA, afecta à CGTP-IN, adianta que a "maioria" dos desempregados "não aufere quaisquer apoios sociais" e que estão a ser "empurrados para a miséria e para a inclusão".

(Aqui)

Infelizmente a miséria vai sendo o dia-a-dia para muitas famílias portuguesas.

"O Ministério da Educação adianta que já são 13 mil os alunos do ensino básico que tomam a primeira refeição do dia nas escolas, como forma de contornar as carências alimentares que sofrem. Em declarações à TSF, o secretário de Estado do Ensino e Administração Escolar, João Casanova de Almeida, garante que o Governo não gasta um tostão neste programa".
(Aqui)

Tic-tac, tic-tac, tic-tac

Por Anabela Fino, no Jornal «Avante!»

Parafraseando um «spot» publicitário que esteve em voga há uns anos a uma marca de desodorizante, poder-se-á dizer: e se de repente alguém lhe oferecer um subsídio em duodécimos isso é... uma fraude. No caso vertente – e sem juízos de valor sobre o desodorizante – a oferta, que chega pela mão do Governo, fede que tresanda a burla, por mais que o ministro Mota Soares se desdobre em explicações para fazer crer ser esta uma medida de «protecção das famílias».
Segundo o ministro, trata-se de diluir o subsídio de férias, ou de Natal, ou ambos ao longo dos 12 meses do ano para garantir que «não exista diminuição do salário líquido das famílias» já em Janeiro. Mas do que se trata, de facto, é de uma manobra para tentar evitar que os trabalhadores se dêem conta, ao ver os seus recibos de remunerações no próximo ano, do impacto brutal do aumento do IRS e da sobretaxa impostos pelo Governo nos cada vez mais depauperados salários que levam para casa.
A isto chama-se, em bom português, enganar, lograr, ludibriar... Porque o dinheiro que mal paga o trabalho de quem (ainda) trabalha, ou já muito trabalhou, ou não o faz porque está no desemprego, será rigorosamente o mesmo no final do ano, com ou sem duodécimos.
A isto chama-se também esperteza saloia, pois o objectivo não é ajudar a minorar o desespero de quem já não sabe como sobreviver com o seu salário de miséria, mas sim criar a ilusão de que o saque fiscal a que os trabalhadores portugueses estão a ser sujeitos afinal não é tão grande como se dizia... e se receava.
Com esta medida, o Governo – que já ultrapassou todos os limites da decência ao taxar como se de mordomias se tratasse os subsídios de doença e de desemprego, que transformou em ricos todos quantos ganham o salário mínimo nacional, que considera milionário qualquer vencimento acima dos 600 euros – o que pretende efectivamente é que os trabalhadores não percebam a dimensão do roubo de que estão a ser vítimas. E porquê? Porque o Governo tem medo, muito medo de que os trabalhadores se revoltem.
Ilude-se quem quer enganar. É que há sempre um momento em que o copo está cheio e já não dá mais para engolir. E o relógio está a contar.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

A fala de Zacarias Guinote

Por Baptista Bastos, no Jornal «negócios»

Converso com Zacarias Guinote, neste fim de tarde. Zacarias Guinote é um velho tipógrafo, sábio, culto e sensato, que, no fascismo, se meteu em embrulhadas políticas. Foi preso, torturado e nunca desistiu. Leitor dos grandes clássicos do anarquismo mantém-se fiel aos ideais da "nova aurora." O rosto é um belo rosto enrugado. Um rosto claro e nítido, direi agora, emoldurado por longos cabelos brancos. Às vezes, parece-me que estou em frente de José Gomes Ferreira, o poeta, claro! Trabalhei com ele em jornais, o último dos quais o "Diário Popular", e gosto muito deste senhor altivo e altaneiro, quase nonagenário, sorridente e firme.

Diz-me: já atentaste bem nas caras deles? Nada têm que ver com as nossas caras. São caras de comida cheia, de boas camas e de boas vidas. Nunca decorei os nomes dos governantes, a não ser o do Vasco Gonçalves, homem de bem, e de quase todos os capitães de Abril. Depois, desisti. Eram caras iguais, nomes iguais. Gente sem sonhos e sem a grandeza que os sonhos conferem. Sabes aquela frase atribuída ao Bertoldt Brecht?, "Os homens são feitos da mesma matéria de que são feitos os sonhos." É uma boa frase porque corresponde à verdade. Tudo o que o homem faz para melhorar a condição humana, parte do sonho.

Estava a revelar-te que não fixei a maioria dos nomes dos que nos governaram. Mas conservei os de estes; e até consegui, através dos jornais e das revistas, retratos deles. Quero marcá-los e às suas indignidades. As indignidades estão afixadas nos rostos deles, já de si uma indignidade pegada.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Já fez as suas contas ao roubo que lhe vão fazer ?


Neste país de miséria aqui retratada eu já vivi, sei o que é; lutei para que ninguém no futuro vivesse assim. Hoje infelizmente estão-nos a tentar impor o regresso ao passado. Lutaremos para que isso não se verifique. A LUTA TERÁ QUE CONTINUAR!

Ficam aqui alguns indicadores do roubo às famílias e empresas feito neste orçamento com o maior dos desplantes pelos deputados do PSD/CDS que, discutiram, defenderam e aprovaram o orçamento para 2013, e, depois dele aprovado vêm dizer (quais virgens arrependidas!) que lhe punham  reservas. Mas, derivado, a situação ser esta... blá-blá-blá; Etc, Etc,. É melhor ter orçamento; coisa e tal! E, pronto,  lá tiveram que fazer esse esforço e aprovar o documento.

É uma vergonha como esta gente ataca diariamente e numa luta constante a Democracia. Mas, mais cedo que tarde, terão a resposta do povo nas ruas e nas urnas.

Hoje, todos os caminhos vão dar à Assembleia da República

 


segunda-feira, 26 de novembro de 2012

"Cumprir e fazer cumprir a Constituição da República Portuguesa"

"O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, defendeu este domingo que, mais do que enviar o Orçamento do Estado para 2013 para o Tribunal Constitucional, o Presidente da República, Cavaco Silva, tem o dever de o vetar".

(Aqui) e (Aqui)

Operação Chumbo Impune

Por Eduardo Galeano, no sítio Adital


Para justificar-se, o terrorismo de Estado fabrica terroristas: semeia ódio e colhe álibis. Tudo indica que essa carnificina de Gaza que, segundo seus autores, quer acabar com os terroristas, conseguirá multiplicá-los.

Desde 1948, os palestinos vivem condenados à humilhação perpétua. Não podem nem respirar sem permissão. Perderam sua pátria, suas terras, sua água, sua liberdade, seu tudo. Nem sequer têm direito a eleger seus governantes. Quando votam em quem não devem votar são castigados. Gaza está sendo castigada. Converteu-se em uma ratoeira sem saída desde que o Hamas ganhou limpamente das eleições, em 2006. Algo parecido havia acontecido em 1932, quando o Partido Comunista triunfou nas eleições de El Salvador. Banhados em sangue, os salvadorenhos expiaram sua má conduta e desde então viveram submissos a ditaduras militares. A democracia é um luxo que nem todos merecem.

É verdade, parece que andamos todos a dormir!...

"O ex-presidente da República Ramalho Eanes considerou este domingo "inaceitável e inadmissível" que haja pessoas, sobretudo crianças, a passar fome em Portugal".

(Aqui)

domingo, 25 de novembro de 2012

Para o final de domingo





Um bom resto de domingo e uma boa semana para todo(a)s.

Hoje pode ser dia de cinema (71)

Operação Outono
Realização:Bruno de Almeida




Sinopse
O filme inspira-se em factos verídicos, alguns dos quais foram recentemente descobertos por Frederico Delgado Rosa, biógrafo e neto do General Humberto Delgado, e no seu livro Humberto Delgado, biografia do general sem Medo. A acção decorre entre Portugal, Espanha, Algéria, Marrocos, França e Itália, no período entre 1964 e 1981, desde a preparação da operação levada a cabo pela PIDE, e que tinham por nome de código: Operação Outono, até ao caso do Tribunal, já depois do 25 de Abril.
 
Bom domingo e bons filmes.

sábado, 24 de novembro de 2012

Sendo sábado, temos música (149)



"Atrás dos tempos vêm tempos
e outros tempos hão-de vir"


Fausto


Eu pego na minha viola
e canto assim esta vida a correr
eu sei que é pouco e não consola
nem cozido à portuguesa há sequer
quem canta sempre se levanta
calados é que podemos cair
com vinho molha-se a garganta
se a lua nova está para subir

que atrás dos tempos vêm tempos
e outros tempos hão-de vir

eu sei de histórias verdadeiras
umas belas outras tristes de assombrar
do marinheiro morto em terra
em luta por melhor vida no mar
da velha criada despedida
que enlouqueceu e se pôs a cantar
e do trapeiro da avenida
mal dormido se pôs a ouvir

que atrás dos tempos vêm tempos
e outros tempos hão-de vir

sei vitórias e derrotas
nesta luta que vamos vencer
se quem trabalha não se esgota
tem seu salário sempre a descer
olha o polícia olha o talher
olha o preço da vida a subir
mas quem mal faz por mal espere
o tirano fez janela p´ra fugir

que atrás dos tempos vêm tempos
e outros tempos hão-de vir

mas esse tempo que há-de vir
não se espera como a noite espera o dia
nasce da força que transpira de braços e pernas em harmonia
já basta tanta desgraça
que a gente tem no peito a cair
não é do povo nem da raça
mas do modo como vês o porvir

Bom sábado, boas notícias e boa música.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

As pessoas estão cansadas de ler que o país está no bom caminho quando, no seu dia-a-dia, o que virificam é exactamente o contrário.

"As vendas dos jornais caíram acentuadamente na última década com os desportivos e semanários na liderança a registar perdas de 42% e 39% respectivamente, tendo os jornais económicos sido os únicos a escapar a esta crise do papel".


(Aqui)

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Basileia 3-0 Sporting




A Liga Europa já foi. A Taça de Portugal já foi. O primeiro lugar do campeonato está a 13 pontos à nona jornada, e, a equipa cada vez mais na mesma.

-O "tempo" em Alvalade continua muito frio. Veremos o que o mês de Dezembro pode trazer... 

No meio de tanta má notícia, uma que pelo menos nos alegra a alma. Bebido com moderação!...

"O vinho Vega Douro tinto de 2009, produzido pela DFJ Vinhos, empresa com sede no Cartaxo, foi considerado pela revista norte-americana Wine Enthusiast o melhor do ano 2012 na relação preço/qualidade".

(Aqui)

Para esta gente a Democracia são eles...

"Os partidos que formam o governo de coligação conseguiram, esta quinta-feira, acrescentar cinco novas propostas de alteração ao orçamento para o próximo ano já depois do prazo ter terminado. As bancadas da oposição até votaram contra, mas a maioria fez valer o seu peso no Parlamento e conseguiu acrescentar as propostas".

(Aqui)

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Depois de mais de um milhão e 360 mil desempregados, ainda nos faltava esta....

"Nos primeiros nove meses de 2012, o número de trabalhadores com salários em atraso já tinha aumentado para mais do dobro do número de todo o ano de 2011. Os dados são da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), noticia nesta terça-feira o Diário Económico."
 

Sem contemplações

Por Anabela Fino, no Jornal «Avante!»

A informação é do Banco de Portugal: o emprego está em níveis de 1997. A quem achar – e com razão – que esta é uma notícia terrível, importa esclarecer que o desastre não se fica por aqui, pois o BdP prevê a destruição no próximo ano de mais de 82 mil postos de trabalho, a somar aos 180 mil que se estima irem desaparecer em 2012, sem que haja perspectivas de melhorias no horizonte.
A previsão consta do Boletim Económico de Outono do BdP e é apenas uma de várias más notícias. O País regista, pela primeira vez desde os anos 80, uma redução da população activa – seja por os desempregados não terem possibilidade de voltar ao mercado de trabalho, seja por serem forçados a emigrar –, o que põe em causa a capacidade de crescimento da economia portuguesa no médio prazo; o PIB deve registar uma queda de 1,6 por cento no próximo ano; a contracção da procura interna deverá ascender a 17 por cento em termos acumulados no período 2011-2013; o consumo das famílias deve cair 3,6 por cento, o que traduz uma queda acumulada de cerca de 13 por cento no período 2011-2013.
Estas previsões, divulgadas na mesma altura em que o INE confirmou o aumento no último trimestre do número de desempregados em mais 44 mil, o que eleva a taxa desemprego em sentido restrito para 15,8 por cento e em sentido lato para 23,7 por cento, ou seja para mais de um milhão e 360 mil desempregados, não deveriam suscitar grandes dúvidas de interpretação quanto à falência das criminosas políticas que estão a ser seguidas e que são apresentadas ao povo português não só como «necessárias» mas também como «inevitáveis» para equilibrar as contas públicas e promover a economia, o crescimento e o emprego. Tal como não deveria suscitar dúvidas que a persistência neste caminho aprofundará a já degradada situação social e conduzirá o País ao abismo.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Gaza ...

...quando é que alguém manda parar esta barbárie???

 

Taxa de desemprego em Portugal atinge 23,7%

Por Eugénio Rosa, no sítio «resistir.info»


"Perante o agravamento do desemprego e da recessão económica, que os últimos dados do INE revelaram, Passos Coelho, com ar de quem não compreende nem se preocupa com o que está a acontecer ao país e aos portugueses, não encontrou melhores declarações para fazer aos media de que tudo é normal porque está de acordo com as previsões do governo, como se o agravamento fosse o objetivo do governo e isso não tivesse importância. E apesar do investimento (só FBCF) cair em três anos 41% segundo o Banco de Portugal – e sem investimento não é possível nem criar emprego nem sair da recessão económica – 6.480 milhões € de fundos comunitários do orçamentado até 30/9/2012, ficaram por utilizar. Mas comecemos pelo desemprego mostrando a gravidade atingida segundo os dados que o INE divulgou em 14/11/2012, dia da greve geral". 

domingo, 18 de novembro de 2012

Para o final de domingo



Amanhã será um novo dia. Outros Setembros virão...

Um bom resto de domingo e uma boa semana para todos.

Hoje pode ser dia de cinema (70)

Está no Ar!
Realização: Pierre Pinaud

 



SINOPSE

Enquanto animadora de um programa de rádio de grande sucesso, Mélina é uma das vozes mais conhecidas de França. No seu fórum nocturno, Mélina ajuda com bom humor e impertinência a resolver os problemas afectivos e sexuais dos seus ouvintes mas na vida real mantém o anonimato e a sua vida é muito mais solitária do que se poderia pensar. Até que aos 40 anos resolve, subtilmente, ir à procura da mãe que nunca conheceu.

Bom domingo, boas notícias e bons filmes.

sábado, 17 de novembro de 2012

Sendo sábado, temos música (148)





Serrat interpreta este tema musicado por Paco Ibáñez sobre un poema de Gabriel Celaya.

LA POESÍA ES UN ARMA CARGADA DE FUTURO

Cuando ya nada se espera personalmente
exaltante,
más se palpita y se sigue más acá de la consciencia,
fieramente existiendo, ciegamente afirmando,
como un pulso que golpea las tinieblas,
que golpea las tinieblas.

Cuando se miran de frente
los vertiginosos ojos claros de la muerte,
se dicen las verdades;
las bárbaras, terribles, amorosas crueldades,
amorosas crueldades.

Poesía para el pobre, poesía necesaria
como el pan de cada día,
como el aire que exigimos trece veces por minuto
para ser y tanto somos, dar un sí que glorifica.

Porque vivimos a golpes, porque apenas si nos dejan
decir que somos quien somos,
nuestros cantares no pueden ser sin pecado un adorno,
Estamos tocando el fondo,
estamos tocando el fondo.

Maldigo la poesía concebida como un lujo
cultural para los neutrales
que lavándose las manos, se desentienden y evaden.
Maldigo la poesía de quien no toma partido,
partido hasta mancharse.

Hago mías las faltas. Siento en mi a cuantos sufren
y canto respirando.
Canto y canto y cantando más allá de mis penas
de mis penas personales,
me ensancho, me ensancho.

Quiero daros vida, provocar nuevos actos,
y calculo por eso, con técnica que puedo.
Me siento un ingeniero del verso y un obrero
que trabaja con otros a España,
a España en sus aceros.

No es una poesía gota a gota pensada,
No es un bello producto. No es un fruto
perfecto,
es lo más necesario: lo que no tiene nombre.
Son gritos en el cielo, y en la tierra son actos.

Porque vivimos a golpes, porque apenas si nos dejen
decir que somos quien somos,
nuestros cantares no pueden ser sin pecado un
adorno.
Estamos tocando el fondo,
Estamos tocando el fondo.

Bom sábado, boas notícias e boa música.

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

O Pedrito, anda contente! Brincando alegremente no jardim da Merkel



Passos Coelho, hoje:
«Portugal está, ao cabo de ano e meio, a atingir as metas a que se tinha proposto no programa de ajustamento. Isso significa uma grande esperança para todos aqueles que, vivendo em Portugal, precisam de ganhar confiança relativamente ao futuro, mas representa também uma expectativa muito positiva para todos os que olham para Portugal como um destino profissional ou de investimento», afirmou.


                 -Estado corta mais do dobro dos funcionários previstos


Afinal! Isto... estava tudo previsto?!

Só por brincadeira de mau gosto se pode dizer que as metas estão a ser cumpridas. Quais metas? O aumento brutal e descabelado de miséria e  pobreza (por via dos cortes sociais,  aumento dos impostos e desemprego), na generalidade da população? Não, essas  metas não queremos cumprir. Queremos um país produtivo, moderno, com futuro para os nossos filhos e para os nossos netos. E não um país que sirva apenas para D. Merkel e seus lacaios passarem férias quando forrem "corridos" do poder.


Não seria melhor continuar calado???

"O Presidente da República afirmou que o direito à greve «deve ser respeitado», mas acrescentou que em dia de paralisação geral não deixou de trabalhar".
- Depois de tanto tempo a comunicar, impontualmente  no facebook, Cavaco veio em dia de GREVE GERAL dizer nos mediam que neste dia «trabalhou».
E, nos outros?! Dormiu a sesta. 
Respondeu o meu vizinho do 5º. Esqº.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

GREVE GERAL-(Manif. em Lisboa)





É oficial! O Ponta Esquerda está em condições de informar os seus visitantes que, quem não fez greve em Portugal, foram: o prof. Cavaco, os membros do desgoverno,alguns trabalhadores nos serviços mínimos e,  uns quantos, "inscritos no sindicato" dos engraxadores/fura-greves que desde o 25 de Abril vão sempre «trabalhar» neste dias; nos outros, vão coçando a micose... 

Foi uma GRANDE jornada de luta do povo português!

GREVE GERAL






(Imagens da net)


O desgoverno que não venha com a treta do costume em relação aos números e  falta de transportes.

O descontentamento com esta espécie de ministros e as suas políticas, é geral, mesmo  aqueles que os ajudaram a sentar... na cadeira do poder estão zangados, desiludidos e frustrados.


terça-feira, 13 de novembro de 2012

Alívio sem ilusões

Por Carvalho da Silva, no Jornal «JN»

Vivemos num tempo em que as eleições em outros países, sobretudo quando se trata de grandes potências, não nos são indiferentes. Não votamos nos EUA ou na Alemanha ou no Brasil, mas é como se o fizéssemos. Por vezes temos mesmo os "nossos" candidatos e os "nossos" adversários nesses países.
Nos EUA existe um sistema bipartidário onde é quase impossível surgirem verdadeiras alternativas. As que existem são forçadas a tentar fazer caminho por entre as estreitas fissuras do sistema político, ou a quebrar hegemonias dentro de um dos grandes partidos - o democrático. Os que conseguem, ou parecem consegui-lo, cedo tendem a desiludir-nos. Foi o caso de Obama no seu primeiro mandato. Ficou muito aquém das esperanças que suscitou. Teve de enfrentar a crise financeira, mas não foi capaz de impedir que o sistema financeiro rapidamente se recompusesse do susto e que, no plano global, fizesse da crise uma oportunidade para desencadear uma nova ofensiva agora dirigida contra os estados, atingindo particularmente os do Sul da Europa.
Por isso mesmo nestas eleições americanas Obama era, para muitos homens e mulheres progressistas, apenas o que se opunha ao mal maior. Entretanto, na noite de terça para quarta-feira respirámos fundo e saiu-nos um "uff, Obama ganhou".
Mitt Romney, um daqueles políticos em relação aos quais é difícil perceber como é possível as pessoas confiarem nele, era o candidato da austeridade à americana: do discurso contra o Estado; do deixem os mais ricos enriquecer indefinidamente, não lhes perguntem o que fazem aos seus milhões; da defesa pacóvia do "mérito"; do consintam todos os privilégios que permitem a quem mais tem e pode colocar com toda a liberdade os seus rendimentos em paraísos isentos de impostos.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Afinal quem nos governa?

Por Aurélio Santos, no Jornal «Avante!»

O País sai à rua, uma, duas «N»vezes, exigindo a demissão do Governo. O Governo não se demite, não é demitido, mas desiste de governar. Entrega a governação à troika. Ou seja: vivemos numa democracia mas somos governados por uma espécie de clube de malfeitores que não foram eleitos e actuam como uma máfia.
As funções de ministro dos Assuntos Parlamentares são exercidas por um comentador de televisão, o sr. Marques Mendes, que assumiu gostosamente as funções de «porta-voz» (ou moço de fretes?) do partido do Governo.
E perante este quadro o líder do maior partido dito da oposição (?) limita-se a dizer que «é muito responsável» – mas apresta-se a discutir com o Governo «as reformas a introduzir» na refundação do Estado.
Temos um primeiro-ministro que chamou «piegas» ao povo – mas afinal foram os deputados da maioria que o suporta na Assembleia da República quem demonstrou uma cobarde pieguice para não enfrentar uns pacatos manifestantes que junto à AR protestavam contra o Orçamento. (É compreensível: esses deputados não estão de consciência limpa.)
A completar este cenário temos um Presidente da República que custa ao País 16 milhões de euros anuais (uma das mais caras presidências da Europa) mas que não vê, não ouve, nem fala: estaremos perante uma realidade virtual a três dimensões?
O conluio entre esta política e os interesses do grande capital é tão descarado que já nem o disfarçam. O banqueiro Fernando Ulrich veio provocatoriamente dizer que «o povo não gosta, mas aguenta, tem de aguentar». Mas engana-se o sr. Ulrich.
Não vamos aguentar, não vamos deixar que nos roubem para pagar os juros do dinheiro que o Governo deu aos bancos, incluindo ao BPI do Sr. Ulrich. Os oito mil milhões de cortes na «despesa», leia-se benefícios sociais, foram direitinhos para a banca.
Gostem ou não esses senhores, temos uma Constituição que nos garante sermos uma democracia e um Estado independente. Quem não sabe governar em democracia está a mais neste país, e quem não sabe viver com a democracia também está a mais.
Quarenta e oito anos de ditadura já nos chegaram e sobraram!

Portugal não é uma coutada da Europa dos ricos e seus lacaios!










 (fotos da net)

Portugal não é uma coutada da Europa dos ricos e seus lacaios! 

Há que libertar o país, varrendo as políticas que nos vêm impondo há 36 anos!


Travar o Governo, enquanto é tempo

Por Octávio Teixeira, no sitio «resistir.info»

O Governo é insaciável. Ainda a procissão do orçamento para 2013 vai no adro e já quer que em 2014 o esbulho seja agravado com um corte de 4.000 milhões de euros, basicamente nas funções sociais do Estado. Esbulho dos cidadãos porque reduzir as dotações àquelas funções é retirar esse montante aos seus benefícios sociais, é obrigá-los a pagar os benefícios que deixam de ter na educação e saúde e reduzir-lhes as pensões, reformas e subsídios de desemprego. Sejamos claros: redução do Estado social é sinónimo de espoliação dos cidadãos.

Na 5.ª revisão do memorando troika e Governo fixaram o tecto da despesa para 2014 em 77,1 mil milhões. E no relatório orçamental o Governo prevê para 2013 uma despesa de 78,1. Ou seja, na perspectiva do Governo e troika a despesa deveria ser reduzida em mil milhões. Porquê, passados dois meses e sem redução da carga fiscal, a quadruplicação desse corte? Das duas, uma: ou o Governo está convicto que a execução orçamental de 2013 será mais um enorme fiasco, ou tem prazer mórbido em despojar os cidadãos.

A propaganda de que as despesas sociais em Portugal são superiores às da União Europeia é falsa. O Eurostat ou a OCDE mostram que o peso da protecção social está abaixo da média europeia e que na saúde as despesas públicas são inferiores enquanto as pagas pelos cidadãos são superiores.

E é em tempos de crise que se exige uma mais justa repartição do rendimento através da protecção social.

O que se impõe fazer é inverter o caminho da redução das "possibilidades do país" que resulta da recessão provocada por opção ideológica e irresponsável do Governo.

O Governo está agir como um bombeiro pirómano e comporta-se como uma máquina de chacina dos direitos sociais. Há que travá-lo, enquanto é tempo.

domingo, 11 de novembro de 2012

Para o final de domingo



Bom resto de domingo e uma boa semana para todos.

Hoje pode ser dia de cinema (69)

Argo


Realização:Ben Affleck




Sinopse

A 4 de Novembro de 1979, quando a revolução iraniana atinge o seu ponto de ebulição, militantes invadem a Embaixada dos Estados Unidos da América no Teerão e fazem reféns 52 Americanos. Mas, no meio do caos, seis Americanos conseguem escapar e encontrar refúgio na casa do Embaixador Canadiano. Sabendo que é só uma questão de tempo até os seis serem encontrados e provavelmente mortos, um especialista da CIA chamado Tony Mendez surge com um plano arriscado para fazê-los sair do país em segurança. Um plano tão incrível, digno de um filme.
 
Bom domingo e bons filmes.

sábado, 10 de novembro de 2012

Sendo sábado, temos música (147)



Porto Sentido


Quem vem e atravessa o rio
Junto à serra do Pilar
Vê um velho casario
Que se estende ate ao mar

Quem te vê ao vir da ponte
És cascata, são-joanina
Erigida sobre o monte
No meio da neblina.

Por ruelas e calçadas
Da Ribeira até à Foz
Por pedras sujas e gastas
E lampiões tristes e sós.

E esse teu ar grave e sério
Dum rosto e cantaria
Que nos oculta o mistério
Dessa luz bela e sombria

[refrão]
Ver-te assim abandonada
Nesse timbre pardacento
Nesse teu jeito fechado
De quem mói um sentimento

E é sempre a primeira vez
Em cada regresso a casa
Rever-te nessa altivez
De milhafre ferido na asa


Bom sábado, boas notícias e boa música.

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Desemprego= Relações sem Futuro

Na revista Inatel deste mês, Zambujal,conta-nos a história de dois jovens licensiados desempregados- Dulce e Pedro- que se conheceram à saída de uma grande empresa, onde tinham sido chamados para uma entrevista de emprego que por sinal, e como de costume, correu mal a ambos.
Ficaram no entanto amigos ( ou mais ) e passaram a encontrar-se com frequência, até que depois de algum tempo,resolveram só voltar a encontrar-se quando um deles tivésse boas notícias para dar ao outro.
Foi assim que um dia Pedro resolveu contactar Dulce para lhe dizer que já tinha arranjado emprego, dentro da sua área ( informática ),mas estava na Noruega ,e, pouco depois recebeu um email da Dulce dando-lhe conta que também já estava a trabalhar mas na Austrália.
Isto poderia ser apenas ficção e não passava de um conto, mas infelizmente é a mais dura realidade que ensombra a vida dos Pedros e das Dulces dos nossos dias, e daí eu concluir que estes jovens merecem melhores governantes e relações com um final mais feliz.  

Capas de Jornais (49)


"Há 10 385 alunos com carências alimentares, revelou ontem o secretário de Estado Casanova no parlamento. Metade destas crianças toma o pequeno-almoço na escola"
 
  
- Para Isabel Jonet isto não significa miséria logo há que continuar a empobrecer os portugueses (digo eu!), para o seu Banco Alimentar continuar com muito trabalho, muito sucesso, e, num futuro próximo, a referida senhora candidatar-se a uma medalha do ministro da "lambreta por um dia". Também conhecido pelo ministro da caridadezinha e das cantinas sociais.

Não é este certamente  o país que os portugueses querem no futuro.

Não queremos uma sociedade de miséria, de fome, de cantinas sociais e de caridadezinha.
Os portugueses têm condições e direito a ter para os seus filhos e netos um futuro diferente, um futuro melhor. Vão lutar por ele com muita determinação e firmeza, como já o fizeram no passado, apeando este desgoverno e a suas políticas fascizantes do poder.
(E agora sim! CUSTE O QUE CUSTAR!!!)
 

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Caridadezinha...Não Isabel Jonet!!!




Isabel Jonet  (...) “vamos ter que empobrecer muito e aprender a viver mais pobres. Claro que já estamos a empobrecer, mas porque andamos a viver acima das possibilidades”, considerou.

Será  que os milhares de contribuintes que têm participado (de forma voluntária) nos peditórios para o Banco Alimentar,  sabem que têm andado a viver acima das suas possibilidades?!
Por mim, depois de  ouvir, Isabel Jonet sobre o que pensa  da pobreza em Portugal  decidi  que "para  o peditório do Banco Alimentar já dei o que tinha para dar"! Já agora, esta senhora vive de quê e com quanto?! Falar de pobreza de barriga cheia, e, pensar que a caridadezinha é uma solução para resolver a pobreza, é uma idéia já  muito velha, Salazar não diria melhor. 

terça-feira, 6 de novembro de 2012

A visita da velha senhora

Por Baptista Bastos, no Jornal «negócios»

Um comovido alvoroço perpassa pelos sectores da direita, com a vinda a Portugal da senhora Merkel, que vem ver como "se passam as coisas." Diz-se que se preparam manifestações adequadas aos níveis de ressentimento de pessoas e grupos. Há que reflectir, porém, que a velha senhora é, apenas, o factótum de uma política que se generalizou, e tem muito a ver com a queda do Muro e a subsequente ascensão do capitalismo em rédea solta. É curioso e trágico verificar que as previsões de Gunter Grass, tenaz opositor, entre outros, da "reunificação", por calcular os perigos daí advenientes, estejam a cumprir-se. Grass preocupava-se com a recomposição da "Grande Alemanha", atendendo às características de um povo historicamente ressentido.

A Alemanha do pós-guerra beneficiou do apoio norte-americano, mas também europeu, em larga medida sustentado, ideologicamente, pela "ameaça comunista." Há um livro, "EUA e União Soviética", do jornalista e historiador Guilherme Olympio, que relata a esquizofrenia do povo americano, habilmente inculcada e alimentada por técnicos de manipulação. Nesse período, coincidente com o da "caça às bruxas", do senador MacCarthy, o pavor instalado era de tal ordem que, praticamente, não havia casa, nos Estados Unidos, sem dispor de um abrigo antiatómico!

A esmagadora maioria das pessoas tem, da Alemanha, um preconceito de desconfiança e, simultaneamente, de respeito pela qualidade de um povo que cultiva o rigor e a disciplina - por vezes exagerados, seja dito em abono da verdade. Viajei, muitíssimas vezes, pelas duas Alemanhas, quando as havia. E devo confessar que lamento, profundamente, não saber alemão, apenas para ler Goethe no original. Os meus sentimentos, como os da minha geração, relativamente ao país e ao povo, foram sempre uma mistura de admiração e de preocupada simpatia. Li os grandes clássicos e os contemporâneos mais significativos, e tenho preocupado, em vão, saber mais do que as emoções revelam e as observações explicam. Difícil, reconheço-o.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

O CIRCUITO (dos amigos!)



Hoje, António José Seguro, foi ao Passos  e aos amarelos, amanhã vai a Belém e de seguida vai á velha dos búzios, digo eu!...  No final, blá, blá e apronta uma violenta abstenção qualquer, fingindo ser oposição nas políticas deste desgoverno que no fundamental são as suas. Só que (provavelmente?) com outro nome e calendário.

Evitar o desastre histórico

Por Carvalho da Silva, no Jornal «JN»



Já não há tempo nem espaço para condescendência com as políticas que o Governo PSD/CDS vem impondo e, muito menos, com as medidas que está a preparar. A intervenção social e política a desenvolver tem de ser formulada e posta em prática com o objetivo de, num período curto, derrotar esta "espécie" de "refundadores" instalada na governação. Há que agir de forma contínua, com inteligência e um grande esforço de diálogo, com criatividade e clareza nos argumentos e persistência no esclarecimento, com participação crescente dos cidadãos dos mais diversos setores e camadas da sociedade.

A apresentação do Orçamento do Estado (OE) para 2013 pôs a nu que estamos perante o maior obstáculo ao processo de desenvolvimento do país, depois da derrota do regime fascista em Abril de 1974, e diante da mais delicada crise política pós 1975. Cumprir a "maratona" organizada pela troika e pelo Governo significará, sem dúvida, hipotecar o futuro de uma ou mais gerações e comprometer a democracia e a soberania do país.

O caminho errático e de desastre à vista, que os poderes dominantes estão a impor à União Europeia (UE) só complicará as condições de resposta aos problemas com que nos deparamos. Porque não podemos tratar com ligeireza a nossa condição de membros da Zona Euro ou de membros plenos da UE, porque é preciso aumentar a exigência de novos rumos para esse projeto coletivo, temos de tratar com mais determinação e profundidade a análise das capacidades e propostas concretas que os portugueses podem utilizar para evitar o desastre. Não fiquemos à espera de milagres vindos da Europa: a generalidade dos cidadãos informados, de diversas regiões do Mundo, tinham no projeto da UE uma referência muito positiva no plano social e político, entretanto, hoje olha-o como ameaça aos direitos fundamentais dos povos que o integram e à estabilidade económica e política a nível mundial.

A manutenção de Passos Coelho e seus pares no Governo pode significar não apenas o estilhaçar do Estado Social mas, também, o atrelar do país a compromissos que nos farão sofrer por décadas. Já é bem claro que as chantagens internas e externas sobre os portugueses se vão intensificar nas próximas semanas. Além disso, tenha-se presente que há gente no Governo e na sua área política que, estando convencidos de que tão cedo não disporão de idêntica oportunidade histórica para fazer acertos de contas com o povo e a democracia, quando se sentirem um pouco mais apertados não hesitarão em destruir tudo o que puderem para dificultar ao povo, a personalidades de diferentes áreas, às forças sociais, económicas e políticas que não se submetem, o encontrar de novos rumos. A crença ideológica sob a qual atuam é de tal ordem que pode levar "seres humanos normais" a concretizarem verdadeiras loucuras.

V. de Setúbal 2-1 Sporting

É assim: 8ª jornada, 7 pontos, 13º na classificação geral (a 13 pontos do primeiro), apenas com mais dois pontos que o último da tabela.

Na vida como no desporto não vale a  pena "chorar" sobre as adversidades; há que arregaçar as mangas, pensar com lucidez, corrigir o que se pensa estar errado e não ficar á espera do milagre.
O futebol é um negocio não pode ser gerido por paixão e boas intenções mas por gente com capacidade para esta actividade, com profissionalismo, conhecimento da realidade do futebol e ter também uma pontinha de sorte.

Uma vez conseguindo reunir  esses atributos o Sporting voltará ao lugar que a sua História desportiva exige. 
 
Ps: Quanto ao novo treinador, penso que neste momento ainda nem o nome de todos os jogadores do plantel teve tempo para aprender e dizer de cor e salteado.

sábado, 3 de novembro de 2012

As botas trocadas... Será?




O leão está nesta fase do campeonato (7ª jornada, 7 pontos e 10º na classificação geral), inseguro, medroso e mijado com os resultados positivos que teima em não conseguir.
Neste último jogo com a Académica de Coimbra, o Sporting empatou a zero e fez uma das piores exibições vista por aquelas bandas nos últimos 20 anos. Aquela espécie de jogo, que a equipa praticou, merecia um estudo aprofundado para ver se alguém consegue explicar o que se passa naquelas cabecitas dos jogadores, equipa técnica e direcção que de um ano para o outro deixaram de saber ser uma verdadeira equipa de futebol, quando já o foram e agora parecem querer não ser.
Esta semana, o clube contratou um novo treinador, Vercauteren que, na tomada de posse afirmou o seguinte: “vim para um projecto duradouro”; amanhã fará o primeiro teste no Bonfim, esperam os sportinguistas que passe…
Pelo que tenho observado, esta temporada, penso que o problema do Sporting não será apenas e só o treino, a táctica, a preparação dos jogadores mas antes a motivação de todo um conjunto de pessoas ligadas às tarefas de colocar uma equipa de futebol a praticar um jogo, em que todos os intervenientes se sintam confortáveis nas tarefas individuais, que cada um tem a desenvolver praticando no conjunto um jogo bonito, descansado, entretido e eficiente. Esta será, porventura, a chave!... Terá o novo treinador capacidade (com esta ou outra chave qualquer!) para abrir a porta das vitórias num grupo de pessoas que parecem hoje, quando se apresentam em cada jogo, trazer as botas calçadas no pé contrário? É a pergunta que muitos hoje fazem na esperança  que a resposta seja afirmativa.

Sendo sábado, temos música (146)




Quando Eu For Grande (Carta aos Meus Netos)
José Mário Branco

Quando eu for grande quero ser
Um bichinho pequenino
P´ra me poder aquecer
Na mão de qualquer menino

Quando eu for grande quero ser
Mais pequeno que uma noz
P´ra tudo o que eu sou caber
Na mão de qualquer de vós

Quando eu for grande quero ser
Uma laje de granito
Tudo em mim se pode erguer
Quando me pisam não grito

Quando eu for grande quero ser
Uma pedra do asfalto
O que lá estou a fazer
Só se nota quando falto

 Quando eu for grande quero ser
Ponte de uma a outra margem
Para unir sem escolher
E servir só de passagem

Quando eu for grande quero ser
Como o rio dessa ponte
Nunca parar de correr
Sem nunca esquecer a fonte

Quando eu for grande quero ser
Um bichinho pequenino
Quando eu for grande quero ser
Mais pequeno que uma noz

Quando eu for grande quero ser
Uma laje de granito
Quando eu for grande quero ser
Uma pedra do asfalto

Quando eu for grande...
Quando eu for grande...

Quando eu for grande quero ter
O tamanho que não tenho
P´ra nunca deixar de ser
Do meu exacto tamanho

Bom sábado, boas notícias e boa música.

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Pequeno intervalo...

Como programado, há muito tempo, vou estar ausente  até sábado.
Boa semana para todos.
Deixo-vos com este poema do Ary dos Santos.


O Poema Original

Original é o poeta
que se origina a si mesmo
que numa sílaba é seta
noutra pasmo ou cataclismo
o que se atira ao poema
como se fosse ao abismo
e faz um filho às palavras
na cama do romantismo.
Original é o poeta
capaz de escrever em sismo.

Original é o poeta
de origem clara e comum
que sendo de toda a parte
não é de lugar algum.
O que gera a própria arte
na força de ser só um
por todos a quem a sorte
faz devorar em jejum.
Original é o poeta
que de todos for só um.

Original é o poeta
expulso do paraíso
por saber compreender
o que é o choro e o riso;
aquele que desce à rua
bebe copos    quebra nozes
e ferra em quem tem juízo
versos brancos e ferozes.
Original é o poeta
que é gato de sete vozes.

Original é o poeta
que chega ao despudor
de escrever todos os dias
como se fizesse amor.

Esse que despe a poesia
como se fosse mulher
e nela emprenha a alegria
de ser um homem qualquer.

Ary dos Santos, in 'Resumo'


domingo, 28 de outubro de 2012

Hoje pode ser dia de cinema (68)

A Advogada
Realização: Tony Goldwyn


Sinopse

Em 1980, Kenneth Waters foi condenado a prisão perpétua pelo brutal homicídio de uma mulher no Massachusetts. O caso contra ele era evidente - provas circunstanciais e a alguns testemunhos não deixavam dúvidas. Todos consideravam Kenneth culpado. Todos excepto a sua irmã Betty Anne, que se recusou a acreditar que ele era culpado e lutou até ao fim para provar a sua inocência.
 
 
Bom domingo e bons filmes.

sábado, 27 de outubro de 2012

Sendo sábado, temos música (145)

Sempre que ouço este tema musical, sinto no nariz o cheiro a nafta dos tanques dos super petroleiros em reparação nos Estaleiros Navais da Lisnave e da Setenave dos anos 80.
Sinto a força e a determinação da luta dos trabalhadores na defesa dos Estaleiros e dos seus postos de trabalho que os governantes da época resolveram sempre boicotar provocando a fome e a miséria a muitas centenas de pessoas, na Península de Setúbal, durante anos e anos.





ALDINA DUARTE & CARLOS BICA

"Sete Naves", GNR - Letra: Rui REininho / Música: GNR

Vejo um rio
Vejo destroço de metal a flutuar
Vejo um rio / provavelmente o Tejo
Desejo de me afundar
O Sado a sede sinos sinetas / ao acordar
Vejo um istmo / isco com ritmo
Paro de martelar

Vejo os meus dedos metálicos frios
Vontade de enferrujar
Vejo limalhas de ferro macio
Volumes por carregar
Vejo estas veias estalando / artérias por soldar
Vejo nuvens ricas de carbono - diáfanas
D'envenenar

As naves que eu construo
Não são feitas para navegar
Aguentam a violência de um beijo
Mas nunca a do mar

As vagas onde elas vogam
Fundem-se com o ar
Vão e vêm...
... voltam-se devagar
... se se voltam devagar

Bom sábado, boas notícias e boa música.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Tese do quanto pior melhor

Por Octávio Teixeira, no Jornal «negócios»


Em nome da prevalência da aparente estabilidade política à viabilização económica e social do país, pretendem condicionar os órgãos de soberania no cumprimento dos seus deveres, suspendendo temporariamente a democracia.
Ninguém duvida que o orçamento para 2013 é desastroso para a economia e para os cidadãos. Nem a maioria dos governantes que o subscreve: à excepção de Passos Coelho e Vítor Gaspar nenhum membro do Governo tem o despudor de o defender.

Mas a tese agora propagandeada é que o essencial é haver um orçamento, por muito mau que ele seja, para evitar uma crise política. É um mal menor, dizem. Mas não explicam porque será pior uma crise política agora, enquanto é tempo de reverter as intoleráveis medidas orçamentais, e não em Dezembro com uma eventual declaração de inconstitucionalidade ou em Março/Abril com a demonstração dos seus resultados nefastos. É a tese do quanto pior melhor. Porquê?

A resposta estará na intimidação implícita na declaração de Paulo Portas de que "todos têm um contributo a dar para assegurar a estabilidade política".

Entre os destinatários da mensagem estão certamente o Presidente da República, para que não ouse suscitar a análise prévia da constitucionalidade, e o Tribunal Constitucional, para que não se atreva a declará-la. Em nome da prevalência da aparente estabilidade política à viabilização económica e social do país, pretendem condicionar os órgãos de soberania no cumprimento dos seus deveres, suspendendo temporariamente a democracia.

O objectivo será o de dar alguns meses para, mostrando o desastre que eles próprios provocaram, ludibriarem que a resolução do problema do défice passa pela substancial redução das funções do Estado. O que "justificaria" a privatização de mais empresas e maiores reduções salariais e despedimentos, mas também o desmantelamento dos serviços públicos de saúde, educação e Segurança Social, a espinha dorsal de um Estado social. Desde sempre o propósito nuclear deste Governo.